sábado, 19 de dezembro de 2009

REGULAMENTAÇÃO MOTOTAXISTAS - SALVADOR

Essa matéria foi feita para avaliação da disciplina de Telejornalismo e Edição de Telejornalismo. Infelizmente, a faculdade não dá o suporte que almejamos para a execução da parte técnica, sendo assim eu e Hilton, meu companheiro nessa jornada, editamos o material gravado em casa, bem como a gravação dos offs. Mas, no fim, acho que vale a pena ser adicionado.

Segue vídeo..

Regulamentação Mototáxi

Edição de imagens: Hilton Souza
Réporter: Sandra Andrade



video

sexta-feira, 15 de maio de 2009

A informatização para deficientes visuais

Sandra Andrade 11-05-2009


A rotina de Jeferson Teles durante a semana é a mesma. Faculdade, pausa para estudos e o compromisso na Associação Baiana de Cegos. Deficiente visual desde os 19 anos, ele faz parte da mínima parcela que transpôs as barreiras impostas pela cegueira através da tecnologia. Utilizando softwares de voz, Jeferson faz uso do computador e dedica suas as horas vagas para acessar a internet.

Pode parecer confuso, mas é muito simples. Os sistemas que ele utiliza para ter sua independência são o
JAWS e o DOSVOX. São softwares que fazem a leitura do que é disponibilizado na tela do computador e através de teclas de atalho é possível escolher o que se deseja fazer na máquina. Por isso não se assuste quando receber um convite de um amigo deficiente visual para entrar na sua rede de relacionamentos na web.

O uso de programas como esses possibilitam a inclusão dos cegos no mundo digital e os colocam em grau de competitividade com os demais no mercado de trabalho. Tárcis Bruno ainda é estudante, mas já compete com seus colegas de turma. Cursando o Ensino Médio com técnico em informática, usa o notebook fornecido pela escola na sala de aula.

Tárcis conta que antigamente era impossível acompanhar as aulas fazendo o uso da máquina de braile, mas com o notebook ele segue o ritmo da turma e, na maioria das vezes, digita mais rápido que os colegas pela prática com o computador, que tem desde os 12 anos.

Jeferson é professor de informática na Associação de Cegos , onde todos os associados têm noções de computação. Sua última turma foi de 22 alunos e o curso, com duração de seis meses tem trabalho individualizado, pois o nível dos alunos varia bastante. Segundo ele, os estudantes chegam motivados com a perspectiva de poder conversar pelo Messenger ou ter um perfil no Orkut. Para Teles é mais fácil convencer um deficiente visual a fazer um curso de informática a ir pra sala de aula.

Independência e privacidade

Retratos como esse são raros. A sociedade ainda está condicionada a imagem do deficiente visual que precisa de proteção ou que canta nas esquinas para ter umas esmolas no fim do dia. Durante muito tempo essa foi a realidade. Nas décadas de 60 a 80, a vida cultural de um cego resumia-se a visita de voluntários que se disponibilizavam a ler livros e revistas para passar o tempo dos deficientes em casas de repouso.

A dependência de alguém que lesse suas mensagens no celular foi o fator decisivo que levou Valnei Ferreira a comprar um aparelho caro, mas que possui compatibilidade com o programa
Talks, também leitor de voz. Ele brinca ao dizer que assim pode escolher atender ou não as chamadas no celular, visto que antes não tinham como saber quem estava ligando.

Investimento alto

No entanto, estar conectado e informado tem um custo alto para um deficiente que ganha em média um salário mínimo. Ter um notebook ou um computador é um investimento alto, mas necessário. Além disso, devem estar adaptados aos softwares.

O DOSVOX é o software mais utilizado no Brasil, é livre e foi projetado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Cada usuário possui acesso ao código fonte e pode adaptá-lo às suas necessidades, como fez Tárcis adicionando pacotes de dicionário no seu programa. Aqueles que não possuem tanta afinidade com a máquina podem mandar suas sugestões para os programadores da Universidade e depois que são discutidas na comunidade, se aprovadas, são adicionadas ao programa.

Para os níveis mais avançados, o uso do JAWS é mais comum. Com ele é possível utilizar o Messenger e o Orkut. Mas a licença custa em média U$ 2 mil. Por esse motivo, Jeferson Teles ressalta que o mais importante é a baixa de preço dos produtos de tecnologia. Uma impressora braile custa, em média, R$ 28 mil, valor inacessível para uma turma que ainda está dando os primeiros passos com o uso das tecnologias.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

A gloriosa arte de esperar


É sem dúvida, um castigo utilizar o transporte público na capital baiana. Faz lembrar todos os pecados cometidos, enquanto aguarda um coletivo. Os congestionamentos te obrigam a sair de casa mais cedo para tentar cumprir os horários dos compromissos, se isso for possível. A preferência é não ter que explicar ao chefe, mais uma vez o motivo do atraso no trabalho.

O tormento da espera foi desfeito por uma grande parcela que aderiu a moda dos financiamentos sem consultas e tudo mais. Com a bondosa ajuda do governo federal você pode parcelar o seu veículo em 60 meses e começar um pesadelo muito pior do que espremer-se até o trabalho desafiando as leis da física.
A piada pronta é o endividamento desenfreado. Os bancos emprestam muito dinheiro a juros altíssimos e as cidades sofrem, pois têm que arcar com os transtornos gerados pelo crescimento exagerado da frota nas ruas. Mas isso não vem ao caso, porque quem se irrita no transporte público, quer mesmo é ser independente.

Aos que conseguiram concretizar esse sonho, falta à paciência de esperar, mesmo no seu devido conforto. Incomodam as buzinadas dos colegas engarrafados, os motociclistas apressados, a faixa de pedestre, os semáforos e o calor. O diagnóstico está na ponta da língua do seu médico, stress.
Para evitar problemas sérios de saúde no futuro, aí vão alguns conselhos. Não reclame com a SET (Superintendência de Engenharia de Transito), nem o Prefeito, Governador, Presidente ou o Papa. Eles também devem passar por isso ou estão em algum lugar do céu, observando o caos nos seus helicópteros. A verdadeira previsão destaca, se nada de concreto for feito, o rodízio chegará a Salvador nos próximos dez anos.

O que você fará com seu carro, impossível de responder. Até lá quem sabe já tenha voltado à moda de utilizar os meios de transportes medievais para se locomover em grandes distâncias. Ou poderá também exercitar-se e deixar o seu médico feliz andando pela cidade de bicicleta.

Você realmente acredita que seu pesadelo acabará com o metrô e o novo Complexo 2 de Julho em fase de construções, esqueça! Nada será resolvido instantaneamente. Afinal de contas, esse tal de PDDU (Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano) merece um novo plano de reestruturação com uma gota de carinho e compreensão dos responsáveis.

Realmente parece difícil uma mobilização. Afinal não se sabe qual o plano da prefeitura para diminuir o pesar de sair às ruas. Em contrapartida, os atuais representantes não parecem muito preocupados com a questão. As propostas dos candidatos a prefeito da cidade não pareceram maduras, viáveis, muito menos possíveis de acerto.

A diferença entre uma proposta vazia a uma viável está justamente no planejamento que resulta num transporte de massa eficiente. Isso não se consegue no “eu prometo”. Mas, com levantamento de base, projeções e simulações de cenários. A questão é que demandará muito mais de quatro anos. Não está na política de marketing adotada por nossos governantes.

É melhor apresentar ao povo um metrô que não resolverá os seus problemas, a trabalhar sério, mesmo que essa obra seja inaugurada pela administração seguinte. Ainda há muito para observar. Está na malemolência do brasileiro adaptar-se aos momentos de crise.

Dez ou vinte minutos a mais no trânsito podem significar somente um teste de paciência. Mas, podem fazer pensar mais a respeito caso você perca aquele negócio, uma entrevista de emprego ou aquela consulta médica aguardada há mais de um mês. É uma perda constante, de tempo, dinheiro, paciência e acredite muita saúde.

Hilton Coelho alfineta João Henrique e Walter Pinheiro


Nada de radical ou extremista. O jeito calmo de Hilton Coelho, ex-candidato derrotado a Prefeitura de Salvador, surpreende quem se acostumou a associá-lo ao jingle “Na capital da Resistência”. Militante do Partido Socialista Liberal, ele chegou com um sorriso no rosto e muito à vontade para conversar com os alunos do 5º semestre de jornalismo do Centro Universitário da Bahia.

Com perfil de político apaixonado, ele foi um estudante incomodado com o cenário político do país e um das caras pintadas que lutaram pela saída do presidente Collor de Mello. Nessa época era estudante do Cefet, antiga Escola Técnica, local em que começou a sua vida política.

Hilton falou da importância do partido na sua carreira, bem como os motivos que o fizeram sair: “ Para mim, passar 18 anos lá e depois perceber que não era mais uma alternativa, foi um processo muito doloroso. Saímos, porque esperávamos que o governo Lula fosse a inversão do governo Collor e ele não foi.”

Ao falar da aceitação do governo Lula, ele foi categórico, o presidente é fortemente apoiado pela mídia e mostrou sua descrença no meio: “Eu vou falar isso abertamente para vocês. Não confiem em nenhum espaço da grande mídia hoje”

Contextualizando as suas respostas com o cenário internacional, mostra o conhecimento adquirido por ser mestre em História pela Universidade Federal da Bahia e a bagagem adquirida por 16 anos de caminhada no Partido dos Trabalhadores. Ele citou exemplos do crescimento da Índia e China e, segundo ele, o Brasil deveria afirmar um posicionamento soberano em decorrência dos potenciais ambientais, minerais e ecológicos.

Pessimista com os atuais políticos no poder, Hilton afirmou não confiar em nenhum deles. Disse admirar alguns militantes que ainda estão no partido dos trabalhadores, mas que estes estão sufocados pela conjuntura do partido.

O político votou em si mesmo no segundo turno. Disse que foi vergonhoso ver Walter Pinheiro perder nos debates para João Henrique, mas era crível, pois o candidato do PT não tinha política para ganhar essas eleições.

Também não aliviou para João Henrique: “A ira de João Henrique foi porque Wagner garantiu que o PT apoiaria a sua reeleição para prefeito se ele retirasse a sua candidatura para governador. O problema da administração de João Henrique não foi a falta de verbas, e sim porque ele deixou que se aprofundasse um problema gravíssimo que se iniciou na gestão do Carlismo, que foi a iniciativa privada desviar recursos da prefeitura.”

Para o futuro, Hilton prevê uma candidatura do Psol para deputado estadual, mas garante que isso ainda são especulações. No momento ele pretende lutar para garantir a revogação do atual PDDU (Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano).

sábado, 2 de agosto de 2008

INOCÊNCIA ROUBADA

Por Sandra Andrade e João Paulo Iberti

O Pró-Menor, órgão do Juizado de Menores que recebe denúncias de crimes a Criança e ao Adolescente, está completando dez anos de atuação. O foco no momento é a exploração sexual infantil em Salvador. Os comissários e os coordenares, Almir Bulhões e Ivan Faride estão realizando visitas ao subúrbio da capital, durante a madrugada e apreendendo adolescentes e crianças vendendo seus corpos em troca de dinheiro.

Segundo Ivan, eles retiram essas meninas das ruas, mas caem no descrédito, pois como não há nenhum projeto que as ressocializem, elas inevitavelmente retornam às ruas, pois precisam de dinheiro para prover o sustento da família. As chamadas "batidas" em motéis e hotéis são feitos durante todo o ano e plantão intensivo durante o carnaval e dia dos namorados. Para os coordenadores, a divulgação do trabalho do Pró-Menor torna as pessoas confiantes para denunciar e inibem a ação dos aliciadores e consumidores.

O tema também é a preocupação do CEDECA, Centro de Defesa a Criança e ao Adolescente Yves de Roussan, que no último ano direcionou suas campanhas de prevenção e combate à exploração sexual. Inúmeras são as barreiras que possuem esses órgãos, seja pela falta de denúncia, dificuldade de apuração e estrutura, bem como o despreparo policial para lidar com uma clientela tão diferenciada e sensível.

Os Conselhos tutelares, Juizados de menores, Delegacias de Proteção e Centros de Defesa trabalham em conjunto, mas sofrem a decadência da estrutura física e a pouca verba destinada a eles, que não cobre os gastos que possuem, nem possibilita novos projetos de combate e prevenção.

No último mês de setembro foram registradas na DERCA - Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Criança e ao Adolescente, 15 queixas de estupros, 21 atentados ao pudor e nove queixas que englobam atos obscenos e importunação ofensiva ao pudor. No Pró-Menor foram feitas 22 denúncias de abuso sexual e 15 de prostituição infantil, números muito menores do que a realidade, acreditam os coordenadores do setor.

A delegada titular do DERCA, Ana Paula Garcia, concorda que as denúncias ainda são poucas. E esclarece que violência sexual é um tema muito amplo e perante a lei não é considerado crime. O correto é exploração sexual e engloba inúmeros tipos de crimes que podem ser praticados, tais como: estupro, atentado violento ao pudor, corrupção de menores, posse sexual mediante fraude de criança ou adolescentes. Mesmo que a criança ou adolescente ceda até os 14 anos, é considerado atentado violento ao pudor presumido pela idade ou estupro.

É fundamental, portanto a comprovação de sua materialidade, através de laudo pericial que determine que houve violência sexual. O que muitas vezes torna-se difícil de comprovar, pois normalmente os abusos quando são denunciados já possuem um histórico e já não há marcas de violência, visto que a criança cede para evitar a dor.

Na sala de espera do Projeto Viver situado no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues, em Salvador, crianças brincam normalmente de desenhar e colorir, enquanto aguardam o horário de suas consultas. A grande diferença das crianças de suas idades é que mesmo tão pequenas, trazem marcas profundas e buscam atendimento psicológico especializado para vítimas de violência sexual.

M. S., onze anos, era violentada há três anos pelo seu pai, quando a mãe estava ausente. O crime e o abusador só foram descobertos após a gravidez da menina, muito embora os vizinhos desconfiassem por conta dos gritos que escutavam nesses momentos.

B. A., dois anos e meio, foi estuprada e sufocada pelo seu tio. A criança sofreu hemorragia e faleceu 12 horas após a violência.

Araceli Cabreira Sanches, oito anos de idade, foi seqüestrada, drogada, espancada, estuprada e morta por membros de uma família de classe média em Vitória do Espírito Santo, há 34 anos. A data de sua morte foi escolhida como Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Infanto-juvenil.

Tais atos contra inocentes é assunto de extrema relevância na sociedade por transgredir os direitos humanos. Traz consigo questionamentos sobre os motivos que acarretam tamanha crueldade e frieza dos agressores para satisfação da sua lasciva. Especialistas da área defendem que todo abusador um dia já foi abusado. Mas não se trata de uma regra, as características mais freqüentes nos agressores são: vício ao álcool ou drogas que desencadeia a violência, desemprego, distúrbios psicológicos e dificuldades de relacionamentos.

A questão cultural também deve ser levada em consideração. A predominância da cultura machista condicionou a submissão da mulher, também chamada de sexo frágil e a dominação do homem sobre todos através da força física. Tal comportamento gera no agressor a ilusão de que a família lhe pertence e deve satisfazer todas as suas vontades e necessidades, permitindo assim que ele trate com violência desde a mulher aos filhos, quando se trata do ambiente familiar.


A psicóloga Sandra Santos atende às vitimas que chegam ao CEDECA e afirma em muitos casos, por conta da idade, a criança não entende o abuso. Ela compreende que esses carinhos fazem parte da relação entre adultos e crianças e guarda o abuso em segredo, a pedido do próprio agressor, numa tentativa de manter o silêncio. A vítima obedece, pois confunde com obediência e respeito devida a aquele adulto que reverencia, portanto não a faria mal.

Com o passar do tempo, surgem os questionamentos acerca do silêncio exigido e as ameaças, dirigidas à criança ou a pessoas que ela ama, como a mãe e irmãos. O abusado passa então a viver um dilema psicológico muito intenso, amando e odiando o seu agressor.

Em 1910, Sigmund Freud na sua publicação “Sobre a Psicanálise” trouxe a tona suas teorias sobre os impulsos sexuais infantis, e escandalizou a comunidade médica européia. Ele acreditava que as crianças também possuíam desejos sexuais e esses eram direcionados aos próprios pais. A teoria freudiana afirma que a menina sente-se atraída pelo pai, do mesmo modo que o teme e rejeita. Ela pode sim, sentir desejo pelo pai e disputá-lo com a mãe, mas esse desejo é reprimido pelo tabu, as convenções sociais e permanece no objeto de fantasia da criança, pois é algo proibido.

Se ela se concretiza, caracteriza-se o incesto, que embora seja considerado inaceitável na sociedade, foi tema das grandes tragédias gregas. Como o mito de Electra, que se apaixonou pelo seu pai e por isso matou a sua mãe; E o Mito de Édipo, que se relacionou com a sua mãe sem saber e suicidou-se ao descobrir o parentesco.

Tais tragédias gregas denominaram na psicanálise: O Complexo de Electra, para os conflitos femininos e no âmbito masculino, O Complexo de Édipo. Esse último é muito conhecido e universalmente utilizado para a compreensão das atitudes humanas. A base do conceito é que a partir do quarto ano de vida, o menino concentra suas atenções nos seus genitais, tendendo a desejar a sua progenitora. Essa percepção de diferença de sexos gera a frustração e a disputa com a pessoa do mesmo sexo, o seu pai.

Tais teorias se aplicam melhor nos adolescentes, por entenderem melhor sobre a sexualidade. Por muitas vezes, mães e filhas passam a disputar o amor do mesmo homem, diz a psicóloga Sandra. “Essas mulheres chegam aqui com os nervos à flor da pele, pois de uma forma instintiva e inconsciente passam a sentir ciúmes da sua própria filha. Na medida em que se sentem culpadas pela agressão que aconteceu dentro de sua casa, sofrem também com a separação do marido, que amava e confiava e sentem-se traídas”.

A separação tende a ser complicada, pois os agressores, normalmente, são os provedores da casa, o que pode favorecer a omissão dos abusos. Mas, é feita a denúncia, acontece a desestruturação do lar. O primeiro passo é afastar a vítima do abusador, que necessariamente trará a separação dos pais ou a saída dessa criança do seio da família.

Para a psicóloga Sandra Santos, a violência sexual deve ser tratada como um tema de grande prioridade na sociedade. Ela acredita que será necessária uma nova didática nas escolas referente à educação sexual, que permita que a criança conheça seu corpo não somente como um objeto de reprodução, mas também como parte da sua sexualidade. Bem como, políticas públicas que permitam às famílias os seus direitos à educação, saúde, emprego e moradia.

A primeira e principal decisão é não se calar perante a violência. Esse é um desejo de todos os órgãos citados acima e bem ilustrado por Luther King, quando disse: "Temos de nos arrepender nesta geração, não tanto pelas más ações de pessoas más, mas pelo silêncio assustador de pessoas boas".

Em 1997, havia muitos casos que não chegavam a julgamento, por falta de queixas e principalmente de interesse com o assunto. A abertura de conselhos tutelares, delegacias de proteção à criança e assistência psicológica e jurídica tornaram-se então o objetivo do CEDECA. Exemplo seguido por outros projetos da capital baiana, como O Sentinela e O Projeto Viver.

O trabalho que hoje é feito em conjunto começa com a denúncia que é direcionada para o Pró-Menor. Os coordenadores organizam as diligências para apuração dos fatos. Nos casos de comprovação das agressões físicas e/ou abusos sexuais, a criança é abrigada num Lar de Apoio e os responsáveis levados para o DERCA, onde são prestadas as queixas e encaminhados os casos a julgamento. Na própria delegacia, recomendam-se os serviços dos Centros de Defesa para assessoria psicológica e jurídica, quando não são procurados diretamente pelas famílias.

Associação de baleiros suspende cadastros

Por Sandra Andrade

A Unibal – União dos Baleiros da Bahia suspendeu novos cadastramentos. A organização está passando por sérias dificuldades, desde que retornou às suas atividades há quatro meses, por conta de problemas financeiros adquiridos na gestão anterior.

Situada no Bairro de Pernambués, funciona provisoriamente numa sala pequena, sem computador, bebedouro, com mesas e cadeiras velhas. A associação que reúne cerca de mil baleiros na capital baiana, não sabe ao certo o tamanho das dívidas adquiridas nos últimos meses. Mas, a nova coordenadora Bárbara Santiago, tem a missão de colocar a instituição em ordem financeira, bem como contabilizar manualmente a quantidade de associados cadastrados.

Fundada em 17 de agosto de 2003, contou com o apoio da vereadora Tia Eron e do atual prefeito, João Henrique. Sua criação foi importante, pois permitiu que os baleiros tivessem acesso livre aos ônibus coletivos de Salvador para vender suas mercadorias. Cada associado paga uma mensalidade de R$ 5,00 e no ato da inscrição recebe um colete e um crachá de identificação, que é válido por um ano e é identificado pela cor. O atual é verde.

A associação trouxe novas possibilidades de emprego no mercado informal, em contrapartida aumentou a oferta e criou muita concorrência. “Antigamente quem vendia era quem não tinha vergonha mesmo de entrar no ônibus e oferecer um doce, hoje todo mundo quer ser baleiro e isso dificultou um pouco”, diz Juraci dos Santos.

Vendedor de doces há quase nove anos, ele diz que saiu às ruas por necessidade.“Era Natal, meu pai não tinha dinheiro para comprar um presente para mim, eu peguei R$ 2,00 emprestados na mão de um colega, comprei um pote de quebra-queixo. Saí de manhã quando voltei a noite, eu tinha quatro potes de quebra-queixo e R$ 10,00 no bolso. Desde esse dia não parei mais de vender”.

O Sr. Claudenor Ferreira é um outro exemplo. Ele desistiu da profissão há cinco anos, pela dificuldade de vender ou medo de ter suas mercadorias apreendidas pela polícia. Largou sua casa e família e resolveu tentar a sorte no interior da Bahia. A criação da associação trouxe esperanças de retornar a profissão abandonada.

Hoje cadastrado e identificado, ele está contente com a rotina que começa as 08:30 da manhã e termina as 22:00, todos os dias da semana. “Graças a Deus eu estou pagando minha mensalidade e agradeço ter acontecido isso aqui”, enfatiza Claudenor.

Preocupada com a quantidade de profissionais e atenta para a grande oferta na cidade, Bárbara Santiago afirma: “vamos parar e contabilizar quantos cadastrados temos agora. Porque se continuarmos assim, vai chegar o momento em que teremos baleiros ganhando R$ 1,00 por dia”.

A nova gestão diz que está recomeçando do zero e trabalham para reconstruir a estrutura perdida. Prevêem projetos de descontos na compra de mercadorias para os associados, bem como um acordo com as empresas de transportes a fim de evitar impasses entre motoristas e vendedores. Pretendem em longo prazo prestar apoio a baleiros que estejam passando por problemas de saúde, com doações de remédios e também assistência na retirada de documentos como identidade e CPF – cadastro de pessoa física.

“Eu queria que a Unibal lutasse para a gente ter direito ao INSS, porque como autônomo e trabalhando na rua, se nos acontecer algo, não temos a quem recorrer, diz Juraci. A esperança do Sr. Claudenor é outra:” seria bom se a gente pudesse estudar “, afirma.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Um pouco de mim, um pouco de Rosa


"Viver é muito perigoso", já dizia um escritor com nome de Rosa...Nasci em Salvador, seu moço, há 25 anos atrás. Minha mãe me disse que eram às nove horas de uma manhã de sol ( nunca gostei de acordar cedo mesmo) e desde então nunca deixei de fazer nada que quis. Um dia eu quis gostar de alguém, outro dia quis fazer teatro e aproveitei todos os aplausos, senti todas as emoções de ser artista.


Transcrevi minhas lágrimas para os papéis, identifiquei-me com inúmeras personagens ... E vivi rodeada dos meus grandes e inesquecíveis amigos... São eles que me acompanham e inspiram ainda hoje. Todos eles, os que não vejo mais, os que conquistem, os que defendo e cuido, aqueles que nem me conhecem bem e os que me conhecem pelo olhar...

Ahhh, se moço, descobri que é linda a mulher que vive dentro de mim. A que se sabe bonita, segura, inteligente, lívida... A que está sempre disponível para fazer um carinho, para incentivar, a que quer estar em paz, em silêncio e que gosta dos seus momentos de solidão. Uma mulher apaixonada pela vida , e pelo seu amor também. Sempre atenta para os detalhes mais preciosos da vida, um sorriso, uma brisa, um dia de sol...

Estar atenta sempre, seu moço. Senão a vida passa e você não vê. Sinto isso todos os dias quando acordo, trabalho e estudo e nem sinto que já é hora de dormir de novo.. E os dias passam, semanas passam, anos passam e ainda tenho sonhos que não realizem ... Me aflige que o tempo que passa. E essa inquietação que mora comigo e sempre fala mais alto.. Uma vontade de conhecer, viver, sentir e realizar..

Mas mudar é sempre perigoso, assim como viver. O medo do desconhecido, da descoberta do erro aflige, amedronta, paralisa. Nesses dias de caos nunca se sabe quanto tempo se vive, quando se termina o ciclo, a hora de fechar os olhos e ver de relance que a vida foi pouca para tanta vontade...


É preciso saber tudo: o que fazer, como fazer. Tem que ser correto, honesto, crente, profissional, o melhor... Tem que ter curso de inglês, MBA, ter estudado fora, saber poesia, física quântica, entender de política, economia, saber votar, escrever, falar bem, comer bem, exercitar-se, saber dançar, cantar.... Exige-se tanto de si mesmo, sempre...


Tudo isso cansa, seu moço. Esquece-se do mais importante e sinto que a minha busca será cada vez maior.. O que quero eu de todo esse mundão de coisas? Viver é coisa simples, como "uma casa na varanda, um quintal e um mato verde para ver o sol nascer " ou uma mansão nos condomínios de luxo, com muita grana na conta bancária e carro bonito para passear no domingo?


A escravidão do trabalho, a perda de todos os dias para ter um pouco mais tira a oportunidade de ser mais gentil, mais conhecedor de si mesmo, do querer... Somos livres para viver enjaulados num escritório 9, 10 horas por dia, ir para casa, sonhar com o trabalho e estar no dia seguinte bem cedo para ganhar mais...


Será isso felicidade, seu moço? Algumas coisas me confundem, outras nem tanto. Mas, de uma coisa eu tenho certeza, a mulher que eu conheço e que vive comigo é grande demais para escravizar a si mesma para ter e esquecer de ser. Acabaram-se as fichas e vontade de morar em Hollywood. A realidade grita e só não escuta quem já morreu.


"O correr da vida embrulha tudo.A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa,sossega e depois desinquieta.O que ela quer da gente é coragem."